sexta-feira, 27 de junho de 2008

os guardiões de Kiara-parte 12- por Camila Bernardini


Jasmine e Umberto encontraram uma pequena casa, que parecia outrora ter sido de algum pescador, por tantos anzóis e varinhas de pescar dentro da casa. Decidiram dormir por ali mesmo, e na noite seguinte encontrariam Thorn e Simona.
.......................................................................................................................
Thorn abriu os olhos e viu Simona ainda dormindo ao seu lado, ficou por algum tempo o admirando dormir, e pela primeira vez sentiu toda a plenitude de ser mulher. Uma intensa ternura e amor brotavam cada vez mais do seu coração por aquele vampiro. Parecia maluquice querer juntar duas naturezas tão opostas, o bem e os mal interligados. Mas quem poderá encontrar explicação para os sentimentos que surgem? E quem poderá controlá-los?
Thorn saiu do lado de fora da cabana e viu que o sol começava a se despedir do céu para dar lugar mais uma vez, ao manto negro da noite que trarias escuridão e segurança para que seu amado vampiro pudesse caminhar, e continuar em sua missão. Era assim, o eterno ciclo da vida, luz e trevas não se encontravam. Não se encontravam talvez por não terem corações, que faria tudo se tornar possível, até os sonhos mais irreais. Ela caminhou por entre os rochedos, até eu subiu em uma rocha alta, que tinha sua beira caída para o mar, naquele ponto com a correnteza forte, uma queda sendo fatal. Sentia o vento batendo em seu rosto, amava sentir a brisa tocar em sua pele, era como se o vento trouxesse energias boas para dentro de seus poros e carregasse as ruis para terras distantes. ’
Ficou por ali um bom tempo, terminando de ver o sol se pôr, quando viu que Jasmine se aproximava,parando ao lado dela. A bruxa carregava em suas mãos uma espada prateada, enfeitada com desenhos estranhos. Eram quatro símbolos: um ank, uma cruz, um cálice e algo parecido com um incenso queimando. Era a espada que Jasmine ganhará ao ser iniciada bruxa, e ter todos os seus poderes sobre completo domínio. Ela só podia ficar quatro anos com sua espada e repassá-la para alguém de confiança. Na noite anterior, antes de adormecer ela lembrou que no dia seguinte seria dia 29 de junho de 2008, dia do seu aniversário e o dia que completos quatro anos. Foi então que decidiu entregar sua espada para Thorn, que era além de uma pessoa de confiança, alguém que ela amava muito.
-Thorn, por nosso tempo de amizade e nossos laços de amizade te entrego minha espada, que agora será sua. Use a com justiça sempre!
-Mine! – era sim que Thorn a chamava carinhosamente.
A fada a abraço e ficaram assim por um longo tempo, uma sentindo o coração da outra. Corações de sincera amizade. Thorn então sorrindo falou:
-Parabéns minha bruxinha linda, dezenove anos! Está velha hein!
- Não esqueça fadinha que eu sou apenas um dia mais velha que você.
- È mesmo amanhã será minha vez de pedir aposentadoria no sindicato das fadas!
As duas riram e tornaram a se abraçar.
-Já estou ficando com ciúmes!
Era Simona que tinha desperto e como o sol já havia desaparecido, saiu em busca de Thorn.
- O que é isso em suas mãos?
- Ganhei de Jasmine!
- Quando você estiver brava me avise Thorn!
Mas riso da parte dos três. Umberto também chegava e se aproximava do grupo como sempre um pouco mais sério que os demais.
-Quando as duas irão comemorar o aniversário?
-Umberto, não sei, mas acho que amanhã, no dia trinta. Para celebrar o meu e o da Thorn.
-Sempre juntas! – Thorn deu um longo beijo na bochecha de Jasmine.
Umberto voltou a perguntar:
- Dos rochedos do costão até o castelo da prainha no máximo levaremos duas horas. Como a noite acabou de começar, nós poderíamos ir um pouco ao centro de Peruíbe.
Os quatro guardiões então se dirigiram ao centro da cidade, onde as principais movimentações e encontro das pessoas tanto que moravam na cidade como dos turistas eram as mini lojinhas de artesanato que formavam um centrinho, antes conhecida como feirinha, quando no passado em vez de lojas eram barraquinhas montadas. E mais um pouco para cima desse centrinho, a pracinha, com duas mini galerias, uma maravilhosa pastelaria, uma igrejinha. Parecia até aquelas pracinhas que encontramos muito no interior das cidades de São Paulo.
Estavam os quatro sentados em banquinhos por ali, conversando, quando alguém gritou:
-Thorn!
A fada olhou na direção da voz que a chamava e se surpreendeu:
-Phauno!
Phauno foi um homem que se aproximou de Thorn no passado, se tornando primeiro amigo dela, e aos poucos a introduzindo no mundo da magia, ensinando sobre poderes e antigas tradições que considerava como únicas e verdadeiras da magia. Quando ele a viu pela primeira vez, sentiu que a missão de Thorn na terra, seria ensinar magia das fadas para as novas escolhidas.
Thorn na época não imaginava a grandeza de seus poderes e nem que se tornaria fada. Aos poucos Phauno foi a lapidando, até brilhar seus poderes. Aos poucos Thor foi deixando de ser uma menininha de quatorze anos, para se tornar uma mulher, madura e assumir seus poderes e sua condição de fada. Ele se sentiu orgulhoso ao saber que ela tinha se tornado uma guardiã da deusa Kiara. Mas seu orgulho, logo virou sede de vingança. Quando ele pediu a Thorn que o levasse ao templo da Deusa, e ela se recusara, ficou irado e por quase três anos planejando vingança. Thorn tinha se tornado guardião junto com a Jasmine com dezesseis anos. Embora as fadas não envelhecessem, permanecendo sempre com seus corpos de meninas, elas contavam a idade, uma forma de recordar o passado, antes de entrarem nesse mundo místico.
Phauno estava feliz em reencontrá-la, pela mão do destino e sabia que agora de alguma forma se vingaria de sua ex pupila.
A fada os apresentou aos outros três guardiões, sem nem ao menos suspeitar que estivesse diante de mais um inimigo. Umberto e Simona se simpatizaram com ele. Jasmine sem saber o porquê já não tinha gostado muito dele, sentia perigo exalando daquele homem, mas no momento resolveu guardar suas intuições com ela.
Os cinco conversavam, quando Umberto percebeu que Jasmine se sentia desconfortável na presença daquele estranho amigo de Thorn. Sugeriu então que os guardiões voltassem para o Costão. Phauno porém propôs:
-Deixe eu matar a saudade de Thorn, proponho um passeio nas Ruínas, sei que é um pouco longe daqui, mas acho que irão gostar.
-Jasmine e Umberto recusaram prontamente:
-Eu vou com o Phauno, e depois encontro vocês aqui.
-Tem certeza?- Foi a vez de Simona se preocupar, era uma mistura de preocupação e ciúmes. Não gostava de saber que existiam outros homens tão próximos de sua fada.
-Tenho sim!- Simona sorriu e o beijou.
Thorn foi se despedir de seus outros amigos, quando viu a cara de seriedade de Umberto e Jasmine e sorriu. Sabia que seus amigos se preocupavam com ela, mas estavam exagerando um pouco.
Phauno estendeu o braço a fada e foram caminhando, desceram para as lojinhas do centro e depois o calçadão que os separava da praia. Thorn olhou o semblante de seu antigo mestre, ele continuava com as mesmas feições, um rosto moreno e arredondado; cabelos longos, lisos e compridos, olhos um pouco amarelados e um sorriso enigmático. Sorriso de poucos amigos. A fada sentiu um arrepio, e um sentimento de arrependimento de ter deixado os outros três guardiões brotou nela. Mas o que iria fazer? Recusar o convite á um passeio de uma pessoa que a ensinou tanto, e que a fez ser o que hoje era?
Como continuavam caminhando calados, Thorn lembrou de quando conheceu Phauno.
Estava com seu grupo de amigos em uma sexta-feira, eles combinavam de ir ao cemitério do Bela Vista e Phauno esta com eles. Chegando ao cemitério, assim que pularam o muro para o lado de dentro, Thorn afastou-se do restante do grupo e foi andar. O garoto que ela gostava tinha acabado de terminar com ela, vagueava por entre os túmulos quando decidiu sentar em um banco branco que tinha por ali, do lado uma árvore que completava o cenário sombrio. Ficou ali, por alguns instantes, sozinha, pensando na sua vida e em tantas coisas, chorou baixinho. Foi então que escutou:
-Obrigada por ter voltado.
Olhou e viu que era Phauno.
-Voltado de onde?
-Na hora certa você vai saber.
Thorn sempre fora curiosa, mas sabia que as respostas viriam sempre na hora certa. Os dois mudaram de assunto, falando sobre coisas diversas, até entrarem no assunto magia, onde Phauno considerava que a magia dos guardiões era a única verdadeira.
Phauno ao ver Thorn, pela primeira vez percebeu que a menina possuía muitos poderes, e teve uma visão de uma vida passada, quando ele era um dos que guardavam o maior segredo de Kiara, isso datava em um ano de 1545, e tinha sido em sua primeira encarnação na Terra. Na mesma hora soube que sua missão seria encaminhar Thorn para o conhecimento do oculto.
Aos poucos os dois começaram a se encontrar, e com sutileza ele foi ensinando os mistérios da magia a sua discípula, que absorvia tudo com interesse. Ele não se enganara, ela era uma fonte viva de sede de conhecimento, alunos assim sempre eram os melhores, pois aprendiam rápido. Foi com orgulho que viu os poderes de Thorns aos poucos irem se desenvolvendo e por fim se iniciando ma magia das fadas. Ela então sabia que teria que renunciar as coisas que viveu na sua vida humana , para se tornar fada, protegendo outros seres de sua espécie.
Thorn ficou feliz pão receber o convite de ser uma das quatro guardiãs maiores de Kiara, embora tivesse medo do tamanho da responsabilidade que seria. Mas como sempre adorou desafios, aceitou sua nova missão. O que os outros guardiões não sabiam era que ela junto de Kiara, guardava um segredo que poderia mudar todo o processo das coisas do universo. Era um segredo que talvez ajudassem os seres místicos que cada vez mais iam perdendo seu espaço entre a terra, pelo ser humano que devastava a natureza e tudo que encontrassem ao seu redor. Um segredo poderosos, que caído em mãos erradas poderia ser usado para o mal.
O que a fada não sabia era que Phauno também possuiu esse conhecimento no passado, mas traiu a confiança de Kiara, sendo expulso do antigo templo dela e sendo proibido de lá voltar. Claro, que muitas reencarnações aconteceram depois disso, mas ele sempre com seus poderes bem desenvolvidos recordava o passado,e tinha sede de vingança. Sempre quis vingar-se de Kiara, nunca porém achou forma de invadir seu templo. Sabia que além dos quatro guardiões principais que eram Umberto, Thorns, Simona e jasmine, havia muitos outros e feitiços que a protegiam de quem quisesse se aproximar para prejudicá-la. Por isso ficou feliz e orgulhoso quando soube que Thorn se tornou guardiã, logo se decpcionando pela discípula ter negado a ele o pedido de levá-lo até Kiara. O que mais ele contava com a sorte, era que Thorn não recordava de suas vidas passadas, não se lembrava do que exatamente havia ocorrido no passado.
-Você esta em silêncio? No que esta pensando? – Era Phauno que perguntava.
-No passado em como nos conhecemos, até hoje você não me explicou a frase que agradecia por eu ter voltado.
- Quer que eu te explique?
-Sim!
....continu

Um comentário:

carlos disse...

acho que vai colocar outro portetor né?