segunda-feira, 14 de julho de 2008

Kiara parte 14- por Camila Bernardini


Cap. 14

Simona percebeu que ninguém o ajudaria. Não sabia exatamente quanto tempo, mas achava que permanecia ali, já havia umas duas horas no mínimo. O que o observava não tinha se aproximado até então, mesmo com as tentativas frustradas do vampiro chamá-lo. Queria entender o que acontecia.

Escutou uma gargalhada, vindo de seu lado esquerdo. Olhou, percebeu o semblante de um homem. Uma luz fraca foi acesa, mas o bastante para Simona perceber que era Phauno.

- Você! Cadê a Thorn?

- Com certeza, ela viverá muito feliz sem você.

- Ela me ama!

- Mas você não a ama, é apenas mais uma mulher. Com suas mentiras e falsa fragilidade a conquistou. Mas nem todos caem nessa sua máscara, de ilusões.

- Duvido muito que seja por isso, que eu esteja preso aqui.

- Quando pedi para que te destruíssem, achem que estaria destruindo um pouco do coração daquela fada. Queria vingança. Mas depois de experimentar um pouco do seu sangue, vi que estaria fazendo um favor á ela.

- Eu não a engano, apenas entro no jogo que ela mesma criou.

- Thorn, não cria jogos, ela realmente sente tudo que demonstra. Eu deveria tê-la ensinado a enganar os sentimentos, assim não teria tantas pessoas se aproveitando dos sentimentos dela.

- Mesmo que você conte a verdade á ela, Thorn não acreditaria. Nem os outros.

- Sei que não, pois Sillos já havia alertado sobe uma possível traição. Mas nem Jasmine, sempre intuitiva pensou em acredita que ainda seria você. Se soubesse tenho certeza, que não teria salvado sua vida.

- O que pretende?

- Seguir com meu plano e matá-lo, depois contar toda a verdade a Thorn. Que o vampiro amado dela compactuou em ajudar Jade. Você iria levar todos eles ao talismã ou a morte?

-Já disse, ela não acreditará.

- Você esquece Simona, que Thorn pode saber o que quiser de você, só não aprendeu ainda a usar esses seus poderes.

- Para quem queria se vingar.

- Eu queria mesmo, mas hoje ela me fez uma pergunta que me lembrou o passado. Vou ajudá-la e ajudar Kiara, assim rever algum dos meus erros.

- Qual o mistério que envolve tanto você, Thorn e Kiara?

- Isso é algo que não te interessa. Bom, eu tenho que ir. Você ficará aqui, até os primeiros raios de sol surgirem, onde te colocarão para fritar no sol.

Phauno saiu da sala, onde tudo voltou a escurecer, deixando Simona ainda mais desesperado. Estava indo a procura de Thorn, quando sentiu uma forte dor de cabeça, sentou no chão, fechando seus olhos. Um leve perfume de mulher começou a embriagar-lhe, até a dor de cabeça suavizar. Abriu os olhos, e viu Kiara na sua frente.

_ Você!

- Devemos esquecer o passado Phauno. Vim pedir que não mate Simona.

- Matá-lo não será mais uma vingança. Quero ajudá-la a recuperar seus poderes. Espero que acredite em mim.

- Simona errou, mas não deve morrer. Ele perderá a coisa mais preciosa que encontrará. O amor que minha fada sente por ele, irá se extinguir. Contaremos a verdade, a ela e o deixaremos livre. Esse será seu pior castigo.

- Mas ele não a ama! Ele disse agora mesmo que só participava de um jogo que Thorn criou, a ilusão dela.

- Ele não a amava, mas acabou se apaixonando. Mas o mal o domina, é a natureza dele.

- E o que devemos fazer?

- Phauno você também errou em outras vidas, foi punido e mesmo assim por uns instantes pensou em vingança. Não sei o que realmente o impulsionou a mudar. Mas Simona merece uma segunda chance.

Continua....



Embora Kiara estivesse sem os seus poderes, enfrentou o perigo de sair do seu templo e salvar Simona. Ela ficou sabendo por um dos espiões de seu templo, que o vampiro quando seqüestrado no castelo de Jade, combinou com ela que iria entregar os outros três guardiões. Mas Simona realmente tinha se apaixonado por Thorn e travava uma batalha muito grande entre um pacto feito a muito tempo e um sentimento até então desconhecido e tão adverso de sua natureza. Era só por ter fé no amor dele pela fada, que o salvaria. Mas também não deixaria de puni-lo, contanto a verdadeira intenção dele para Thor e os demais, e faria mais que ele continuasse na missão. Além dessas mudanças, colocaria Phauno para ajudar, talvez assim perdoando as dívidas do passado.

Phauno e Kiara foram buscar Simona. Foi difícil conseguir convencer Abraxas a libertar o vampiro, o ex mestre de Thorn teve que convencê-lo, prometendo um outro pacto, que não entrou em conhecimento de ninguém.

O vampiro ficou surpreso ao ver que estava sendo liberto por Phauno e por Kiara, ao mesmo tempo se sentiu envergonhado por ter traído a deusa que outrora salvou sua vida da mão dos humanos. Apenas a seguiu calado, com a cabeça baixa, pensando no que aconteceria agora.



Depois de algum tempo, eles chegaram na praça onde ainda se encontrava Thorn, Jasmine e Umberto. Os três estavam ali ainda, paralisados, sem saber o que fazer. Umberto foi o primeiro a ver Simona e os outros se aproximando. Ficou quieto, sem avisar as guardiãs. Percebendo que algo estava extremamente errado.

- Olá queridos- Kiara disse suavemente

Thorn então levantou os olhos:

- Simona! Kiara! Phauno! O que está acontecendo? Por que você desapareceu?

O vampiro continuou calado, sem responder. Preferiria ter morrido, do que ter a certeza de que Thorn saberia toda a verdade.

- Calma, querida. Toda a verdade será revelada. Quero que vocês sentem,e mantenham a calma. Principalmente você Jasmine.

Os três sentaram de volta ao banco.

- Quero Simona e Phauno, que sentem também.

Os dois obedeceram imediatamente a ordem de Kiara.

- Hoje, Thorn encontrou seu ex mestre, que por motivos que só cabe a ela saber, resolveu que iria se vingar de você. Achou que a melhor forma seria destruindo Simona, o raptando e planejando matá-lo.

- Phauno??! – Era Thorn que estava horrorizada.

-Deixe eu terminar Thorn!

- Me desculpa Kiara.

- Phauno descobriu que Simona estava mentido para vocês quanto a localização do talismã, e pretendia os entregar para Jade ou os aliados dela. E que no começo ele não a amava de verdade Thorn, embora agora acho que ele nutre sentimentos verdadeiros por você. Embora ainda esteje confuso. Assim Phauno se arrependeu da vingança, o motivo também não sei ,e decidiu destruir Simona e depois os ajudar a recuperar o talismã.

- Quer dizer que agora não podemos mais contar com um vampiro em nossa missão? Bem que Sillos nos avisou...- Era Jasmine que embora sempre tentava manter equilíbrio entre as coisas estava furiosa. Salvou Simona, ficou desesperada nos momentos que esteve desaparecido, para isso. Saber que ele traía a confiança deles e ainda por cima machucava a pequena Thorn.

- Claro que terão, ele e Phauno farão parte da equipe. E os ajudarão.

- Como iremos confiar em uma pessoa que não sabe o que quer? Ou ele está do nosso lado ou no da Jade.

- Umberto, todos nós merecemos uma segunda chance. Será a chance dele provar que ama mesmo Thorn. E será a chance que Phauno terá de resgatar um erro do passado comigo.

- E como saberemos onde está o talismã agora? – Era Thorn, que como líder, tentou não se alterar e esconder a raiva que sentia. Raiva, e tristeza.

- Usem magia! Para isso vocês foram tão bem treinados. Bom, tenho que deixar os cinco sozinhos e voltar ao templo. Achem logo um esconderijo para passarem o dia. Logo vai amanhecer.

Kiara terminado de alertar sobre o dia que logo amanheceria, desapareceu. Os cinco ficaram mudos se olhando. Um esperando pelo outro. Cada qual engasgado, com coisas para falar, mas se contendo.

- Vamos alugar quartos em alguma pousada por aqui. Estou exausta, e acho que vocês também.

-Thorn sei que não é o momento certo. Mas eu havia esquecido, passou da meia-noite, feliz aniversário linda.- Era Umberto que tentava amenizar a situação.

-Obrigada...

Jasmine sorriu e a abraçou,

- Então vamos achar os quartos?

Os cinco logo, encontraram uma pousada chamada Sol, e decidiram se instalar ali mesmo. Thorn e Jasmine decidiram que ficariam no mesmo quarto. Umberto quis ficar em um quarto vazio, enquanto Phauno e Simona tiveram que decidir o último quarto livre que sobraram, mesmo não gostando da idéia de praticamente estarem dormindo ao lado de um inimigo. Ao se dirigirem ao quarto Simona chamou por Thorn. Ela parou no corredor, o olhou e seguiu em frente. Sabia que uma hora eles teriam que conversar. Mas não seria agora, pois ela estava de cabeça quente e facilmente poderia explodir.

Um comentário:

carlos disse...

se tivesse em livro eu seria o primeiro a adquirir. E NÃO É PAPO DE NET. é bom para descansar, ler.....